Latest News - Headlines

O caso BES/GES e a submissão do governo

O caso BES/GES está a mostrar novamente que o governo está refém dos Banqueiros 


A banca é vital na vida do país. E isto porque é na banca que a maioria dos portugueses deposita as suas poupanças e, depois, é a banca, utilizando os recursos assim captados, que concede crédito à economia, às famílias e ao Estado para poderem funcionar. 
Portanto o dinheiro emprestado pela banca é, na sua maioria, dinheiro depositado pelos portugueses nessa mesma banca. Este é um aspecto essencial que não deve ser esquecido na análise do caso BES/GES e de outros . 

É o dinheiro dos portugueses que está em jogo e desaparece, e o não dos banqueiros. Os banqueiros utilizam recursos que são, na sua esmagadora maioria, dos portugueses, e não propriedade sua.

O crédito concedido pelo BES ao BESA (Angola) para além dos limites prudenciais que se transformou num enorme prejuízo a suportar também pelos pequenos acionistas 


No setor bancário existem regras prudenciais impostas pelo próprio regulador – o Banco de Portugal – para mitigar (reduzir) o risco que resulta da concentração de crédito e do relacionamento entre contrapartes.
E uma dessas regras importantes é que um banco não deve conceder crédito a uma empresa do grupo que ultrapasse 25% dos seus fundos próprios. Apesar dessa regra imposta pelo próprio Banco de Portugal, o BES concedeu crédito ao BESA (Angola) no montante de 3.500 milhões € que ultrapassou certamente o limite de 25% dos seus Fundos Próprios perante a passividade do Banco de Portugal.

Confrontado com uma pergunta feita por um deputado sobre esta matéria, o governador do Banco de Portugal deu mais uma vez uma resposta que mostra bem a subserviência do supervisor aos banqueiros.
E a resposta foi a seguinte: Como o BESA era uma empresa subsidiária do BES, e era consolidado nas contas do BES, e como esse crédito era um bom crédito esse limite não se aplicava. O certo é que esse crédito não era um bom crédito como a realidade veio a provar, causando elevados prejuízos aos seus accionistas, incluindo pequenos accionistas, e a outros credores contribuindo também para a ruína do BES. Mais um exemplo das consequências do supervisor se encontrar refém do capital financeiro.

Uma empresa avaliada por 700 milhões € para resolver um problema do grupo BES/GES quando valia apenas 250 milhões €, e aceite pelo Banco de Portugal 


Outra situação insólita que se verificou na reunião da Comissão de Inquérito Parlamentar,que mostra também de uma forma clara que o supervisor está refém dos banqueiros, foi quando o presidente do Instituto de Seguros de Portugal afirmou que nunca tinha percebido por que razão a seguradora Tranquilidade fora avaliada pela consultora PwC em 730 milhões €, valor este que foi aceite pelo Banco de Portugal, quando valia apenas entre 200 milhões e 250 milhões €.

E aquele valor de 730 milhões € refere-se, como consta também da “Nota técnica” do Banco de Portugal (pág. 4), “à concessão de um mecanismo de garantia ao BES ...através do qual, em caso de incumprimento da ESI, a ESFG se substituiria à ESI no reembolso do papel comercial”.

Por outras palavras, a ESI precisava de apresentar uma garantia de 700 milhões €, e por essa razão a seguradora Tranquilidade foi avaliada por 730 milhões € e aceite pelo supervisor.
Desta forma, a própria entidade de supervisão, aceitou uma garantia fictícia já que o seu valor representava cerca de um terço da divida.
É clara mais uma vez a subserviência do regulador em relação aos banqueiros, o que mostra também o tipo e a qualidade de supervisão bancária existente em Portugal, o que não pode tranquilizar nem os depositantes que confiam as suas poupanças aos bancos nem outros credores da banca.

Aconselha-se a leitura completa do estudo - Clique Aqui 

| www.noenigma.com | All rights reserved - Copyright © 2010 - 2017

Theme images by richcano. Powered by Blogger.