Latest News - Headlines

Triunfo da Política ao Estado dos Juízes

CASO SÓCRATES
Mário Soares desafia Cavaco 


Em 40 dias, Mário Soares falou quatro vezes sobre a prisão de Sócrates... 


Esta foi, a noticia, deste Domingo ( 4 de Janeiro de 2015 ), do JN ( Jornal de Noticias ), em que defende que o juiz deve pedir desculpa ao ex-primeiro-ministro, José Sócrates, e considera que Cavaco Silva, Presidente da República, não pode continuar em silêncio. ( clique aqui para ler o artigo do Jn ).


Este artigo, não é de cariz politico-partidário, nem de uma tomada de posição sobre a actual ou actuais circunstâncias envolvidas com o  Engº José Sócrates, mas sim de uma reflexão.

Mario soares
É de admirar, ou não, a afeição e do envolvimento de um Ex Presidente da República, pois não está a deixar ninguém indiferente sobre a tomada de posição dele, sobre a actual prisão preventiva do Ex-primeiro Ministro.

Estaremos nós a deslumbrar a ponta do icebergue ( de um  tráfico de influências ) do PS?

Rui Mateus, que foi presidente do Conselho Directivo da Fundação Luso - Americana para o Desenvolvimento (FLAD), entre 1985 e 1988, publicou uma Obra - CONTOS PROIBIDOS MEMÓRIAS DE UM PS DESCONHECIDO, em que relata a história de um Partido Socialista mas, essencialmente, de uma contribuição para uma melhor compreensão de como foi forjado aquele que seria a espinha dorsal do regime democrático português actual.

Salvo melhor opinião, deixo aqui um excerto da Obra que entendo de ser máxima importância cuja a obra é de leitura aconselhável, que corresponde às situações actuais...

Em Portugal, neste pequeno país periférico, diminuído pela indigência e obscurecido pela opacidade, ensaia-se um sistema político-partidário moldado pelo Partido Socialista, onde só duas décadas após o restabelecimento da democracia se começa a discutir o tráfico de influências, a transparência e, enfim, o cidadão. 
Discussão envolvida em tanta hipocrisia e por métodos tão falaciosos que poderemos considerar que o nosso país, neste capítulo, se encontra num espaço cultural de transição entre o fascismo e um «estado de juízes», que não vislumbra um regime de verdadeiro controlo e legitimação democrática das instituições. 
O «triunfo da política» e dos seus principais protagonistas, exactamente pelo modo como foi construído o regime após o 25 de Abril, começa a revelar perigosos sintomas de erosão da credibilidade das instituições, evidenciados pela crescente descrença popular. 

A democracia portuguesa, no actual contexto ocidental, embora irreversível na sua aparência formal, resvala perigosamente para «um corpo de funcionários sem legitimação democrática directa ou indirecta, como é, entre nós, o corpo de magistrados», que é dominado «por certas correntes que professam uma concepção militante, radical e fundamentalista da magistratura, a qual, geralmente aliada ao protagonismo político de alguns, tem subjacente uma cultura de intervenção, quando não de contrapoder e confronto com os órgãos de soberania político-representativos» . 
A semelhança do que acontece em Itália, berço do pensamento e acção fascistas que assolariam a Europa nos anos 30, também hoje é legítimo perguntar se o «governo dos juízes» que tem vindo a devastar aquele país, não estará a ser aproveitado para fins políticos também em Portugal, onde o protagonismo de alguns juízes, recentemente convertidos à democracia, tem feito impunemente os seus progressos perante uma cada vez mais amedrontada «classe política». 
Não me tendo ocorrido escrever um livro antes, daria oportunidade, em 1990, a um semanário lisboeta que prometia desvendar mistérios através de um respeitável jornalismo de investigação, de se ocupar da difícil e ingrata tarefa de «investigar» o estado da Nação em matéria de compadrio e tráfico de influências. 

Lamentavelmente, o resultado não passaria de uma pusilâmine caça às bruxas e da reprodução de reles «fugas» de indisfarçável apologia fascista, bem inseridas numa estratégia, que, a vencer, conduzirá, inevitavelmente, ao «estado dos juízes». 
Tratou-se do chamado «fax de Macau» e da cegueira com que o processo, a todos os níveis, seria conduzido. Numa total inversão de papéis e segundo uma ética dificilmente digerível, a própria «jornalista de investigação» se revelaria «jornalista-testemunha» empenhada, através da mentira e do perjúrio, em crucificar as suas «fontes», ajudando a cruzada da magistratura. 

Hoje, para repor a verdade, decidi-me a escrever o livro. E um livro de memórias em redor do Partido Socialista, duma perspectiva das suas relações internacionais, que eu dirigiria durante mais de uma década. Não é, contudo, nem poderia ser, a história do Partido Socialista mas, essencialmente, uma contribuição para uma melhor compreensão de como foi forjado aquele que seria a espinha dorsal do regime democrático português actual. 

O PS acabaria por ser, acidentalmente, aquele que mais responsabilidades teria na construção das actuais estruturas económicas, sociais e políticas do País. Opôs-se à opressão salazarista e sairia desiludido da chamada «primavera marcelista». Acabaria por resistir à aventura comunista e, depois, à tentação militarista, acabando por «impor» o seu modelo de sociedade, a partir de 1976. Nesse percurso e nos momentos decisivos, teria sempre o apoio internacional dos Estados Unidos e da Europa.

Clique aqui para consultar a obra 

Fonte : imagens de JN  e Observador

| www.noenigma.com | All rights reserved - Copyright © 2010 - 2017

Theme images by richcano. Powered by Blogger.