Latest News - Headlines

O que teria acontecido senão tivéssemos preservado a Camada de Ozono?

buraco do ozono
1987 foi o ano da alerta global do "buraco do ozono" sobre a Antártica... 


Foi em 1987, que o alerta foi dado, com a descoberta de uma diminuição significativa na concentração de ozono sobre a Antártica, no qual, teria sido observado uma redução de 50% da superfície de Ozono no continente antártico ( Polo Sul ) e à semelhança, o Ártico ( Polo Norte ) a sua diminuição teve uma percentagem bastante inferior.

Foi publicado um estudo na revista Nature, no qual mostra a eficácia das acções empreendidas desde 1987 e comparando-as com o que teria acontecido sem estas iniciativas. 

O estudo, publicado pelos pesquisadores da School of Earth & Environment da Universidade de Leeds (Inglaterra), confrontou directamente dois cenários possíveis ;

Aquele que vivemos hoje e outro o que poderia ter sido se a humanidade não tivesse tomado as iniciativas e as medidas na  conferência de Montreal em 1987 ( Protocolo de Montreal ).

Parte deste estudo, reflecte sobre o cenário de uma actualidade que poderia ter sido bem real, caso senão tivéssemos preservado a Camada de Ozono. E se tivesse sido esse o tal caminho escolhido, hoje, já estaríamos a torrar sob o ataque dos raios ultra-violetas ( UV ) do sol e com causas ainda mais perigosas na nossa saúde, como o aumento e maior incidência do cancro da pele.

O que é o Protocolo de Montreal

Para recapitular, o Protocolo de Montreal consiste na eliminação gradual das substâncias que empobrecem a camada de ozono (SAO), entre os quais se encontra principalmente os Clorofluorocarbonetos (CFC), os Hidrofluorocarbonetos (HCFC) e os hidrocarbonetos halogenados (halons) - incluindo as substâncias utilizadas na pulverização, nas lâmpadas, etc... Quando estas substâncias atingem a camada de ozono ( moléculas compostas por três átomos de oxigénio ) entre os 18 km e os 45 km de altitude, essas destroem a camada de ozono e impedem de realizar o seu papel de filtro UV.

O hemisfério norte salvo pelo Protocolo de Montreal

Os pesquisadores realizaram uma simulação climática com a finalidade de observar como ficaria o buraco do ozono sem as normas estabelecidas pelo Protocolo.

O ano de 2011 foi considerado como data da simulação, dado que  o inverno desse ano, no hemisfério norte e sul foram particularmente severos, que levou à camada de ozono ficar muito fina.

Para validar o modelo, os pesquisadores também incluíram a incorporação das normas do Protocolo de Montreal e compararam os resultados da simulação com a situação real observada em 2011, com a coincidência entre o cálculo e a realidade. Veja os diferentes resultados  ilustrados pelas seguintes imagens abaixo.

Polo sul "Buraco de Ozono"
Da esquerda para a direita: a) verdadeiro estado da camada de ozono sobre a Antártica em outubro de 2011, b) simulação do estado em 2011, de acordo com o modelo desenvolvido pelos pesquisadores, c) O estado em 2011, se a camada Protocolo de Montreal não tivesse sido oficialmente declarado (Crédito: Sandip Dhomse)

O buraco de ozono na Antártica teria crescido 40%. Pior ainda, um segundo buraco de Ozono teria aparecido  acima do Ártico (figura abaixo).

Polo Norte "Buraco de Ozono"
Da esquerda para a direita: a) verdadeiro estado da camada de ozono sobre o Árctico, em março de 2011, b) simulação do estado da camada de 2011 de acordo com o modelo desenvolvido pelos pesquisadores, c) estado da camada de 2011 se o Protocolo de Montreal não tinha sido  oficialmente declarado (Crédito: Sandip Dhomse).
Futuro - Resumo
Está previsto a eliminação dos Hidrofluorocarbonetos, os principais substitutos dos Clorofluorocarbonetos até 2020 para os países desenvolvidos e 2040 para os países em desenvolvimento.
Os pesquisadores descobriram recentemente que a eliminação precoce ( 10 anos antes, em 2030 ) dos Hidrofluorocarbonetos a redução do efeito estufa seria ainda maior à aquilo que  permite ao Protocolo de Quioto,  ( Protocolo sobre as alterações climáticas ).
O acordo que foi concluído na 19.ª reunião, que permite uma aceleração da saída do uso de Hidrofluorocarbonetos, vai dar origem a que os países industrializados vão parar a produção destas substâncias e o  consumo deles em 2020, reduzindo-los até  90% já este ano, 2015.
Os países em fase de desenvolvimento, esses vão reduzi-los de 10%  no corrente ano, 2015, em 2020 para 35% e em 2025 para 67,5% .

| www.noenigma.com | All rights reserved - Copyright © 2010 - 2017

Theme images by richcano. Powered by Blogger.