Latest News - Headlines

A origem dos Transmontanos

A origem dos Transmontanos

Quem foram os primeiros Transmontanos? 


Muito antes das invasões romanas , por volta de 218 a.c, sabe-se que já habitavam na Península Ibérica os povos Ibéricos. 


Para melhor entender a origem Transmontana, vamos iniciar uma viagem ao passado, até à pré-historia da península ibérica.
Segundo os investigadores, a chegada dos primeiros hominídeos, à Península Ibérica, foi à cerca de 1,2 milhões de anos e que se prolongou até às guerras púnicas, e pensa-se também que os primeiros que a habitaram foram os povos autóctones conhecidos como ibérios.

A origem dos Transmontanos
Ibéria 200 anos A.C
Varias teorias, relatam que, teriam sido eles  os criadores da grande cultura megalítica que teve início em Portugal e outra seria que, os Iberos seriam de origem caucasiana, e teriam construído oppida muito semelhantes às mesmas construções encontradas na Escócia

Seria então, na idade do ferro, por volta de 1200 a.c, que se deu a expansão das tribos Indo-Europeus, de origem celta, cujo falariam a língua proto-indo-europeia. Essa língua, pelo que se sabe, teve origem próxima, do Mar negro, no oriente.

Nesse período de expansão, foi o prelúdio dos Celtibéricos, oriundos da região do Douro, Tejo e Guadiana,  resultado das tribos migrantes dos celtas da lusitânia, que foram todo o berço da Península. 

A origem dos Transmontanos
Galécia
Os Galaicos também conhecidos por Calaicos sofreram a pesada derrota do Décimo Júnio Bruto por volta de 137 a.c.

Foi nesse período que  nasceu a Galécia "Gallaeccia", ver imagem, essa que foi dividida administrativamente, pelo imperador romano Dioclecianoem 3 conventi:
  • Convento asturiense, capital Asturica Augusta; 
  • Convento lucense, capital Lucus Augusti; 
  • Convento bracarense, capital Bracara Augusta;
Em 406 d.c, os Alanos, Suevos e Vândalos chegaram à Hispânia, período das migrações bárbaras. Nesse ciclo os Suevos mais os Búrios foram empurrados pelos Alanos para noroeste,

Por volta de 409 d.c, os suevos, encabeçados pelo rei Hermerico, pactuaram um foedus, com Honório levando a Galécia, antiga província romana, e dando origem ao  Reino da Galiza. Reino esse, que se estendeu até Coimbra, que iria também, englobar toda a região do norte de Portugal, incluindo toda a Zona do Nordeste Transmontana e a actual Galiza em Espanha. 
A origem dos Transmontanos
Como poderemos ver, com apoio aos mapas ( imagens ),   o Distrito de Trás-os-Montes e Alto Douro foi palco de transformações e divida por tribos, invasões romanas, migrações bárbaras e que somente no inicio do  condado Portucalense, pertencente ao Reino da Galiza, deu o nascimento do Reino de Portugal, que por sua vez  iria dar origem à Região Transmontana.

Só por volta de do século XVI,  Trás-os-Montes iria ser reconhecida como Região.


A partir do século XVII, a região passou a ser dividida em  comarcas, cada uma com o seu corregedor. A região passou, então, a ser apenas uma unidade estatística e uma região militar comandada por um governador das armas. No início do século XIX, Trás-os-Montes incluía as comarcas de Bragança, Miranda, Moncorvo, Vila Real

A origem dos Transmontanos

A região de Trás-os-Montes manteve-se na divisão administrativa de 1832.


Nessa altura passou a dispor de um prefeito — magistrado que representava o governo central — e de uma junta geral de província — órgão autárquico, eleito localmente. A região passou a estar dividida nas comarcas de Bragança, Chaves, Moncorvo e Vila Real

As comarcas, que não eram sede de região, dispunham, cada uma de um sub-prefeito, que representava o prefeito. Pela reforma administrativa de 1835, Portugal foi dividido em distritos. 

A divisão, em regiões, manteve-se, mas estas passaram a ser meros agrupamentos de distritos para fins estatísticos e de referência regional, sem órgãos próprios. 

A Região de Trás-os-Montes passou a agrupar os distritos de Bragança e de Vila Real.
A região, agora com a designação de Trás-os-Montes e Alto Douro e englobando alguns concelhos na margem esquerda do Douro, foi reinstituída pela reforma administrativa de 1936, em conformidade com a Constituição de 1933 (Estado Novo). 

As novas regiões, foram criadas, com base num estudo geográfico que identificava 13 "regiões naturais" no território de Portugal Continental. A região natural de Trás-os-Montes e a região natural do Alto Douro, foram agrupadas na região de Trás-os-Montes e Alto Douro.

Fonte :  Imagens do Wikipédia
Bibliografia : Wikipédia ( veja em mais detalhe todas as ligações directas "links de cor azul" do artigo )

Documentário dedicado a Trás-os-Montes

20 comments:

  1. A província de 1936 limitava a Norte e a Leste com a Espanha (províncias de Ourense, na Galiza, e Zamora e Salamanca em Castela-Leão), a Sul com a Beira Alta, e a Oeste com o Minho e Douro Litoral.
    Era então constituída por 31 concelhos, integrando a totalidade do Distrito de Bragança e do de Vila Real e partes dos distritos da Guarda e de Viseu. Tinha a sua capital na cidade de Vila Real.
    Distrito de Bragança (todos os 12 concelhos): Alfândega da Fé, Bragança, Carrazeda de Ansiães, Freixo de Espada à Cinta, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mirandela, Mogadouro, Torre de Moncorvo, Vila Flor, Vimioso, Vinhais.
    Distrito de Vila Real (todos os 14 concelhos): Alijó, Boticas, Chaves, Mesão Frio, Mondim de Basto, Montalegre, Murça, Peso da Régua, Ribeira de Pena, Sabrosa, Santa Marta de Penaguião, Valpaços, Vila Pouca de Aguiar, Vila Real.
    Distrito de Viseu (4 de 24 concelhos): Armamar, Lamego, São João da Pesqueira, Tabuaço.
    Distrito da Guarda (1 de 14 concelhos): Vila Nova de Foz Côa.

    ReplyDelete
  2. Obrigado pelo complemento e pela visita @ Corvo Branco

    ReplyDelete
  3. este artigo é interessante porque tem uns mapas engraçados (e corretos) mas permite olhar o ridículo dos que não têm a mínima noção de uma tabela cronológica...
    E assim desconstruir parcialmente uma das barbaridades da moda: o "celtismo": OS CELTAS NUNCA PUSERAM O CÚ NO TERRITÓRIO HOJE PORTUGUÊS!

    ReplyDelete
  4. Olá Anonymous, obrigado pela visita...

    Podia pelo menos, moderar a sua linguagem ou é por isso que se esconde no anonimato? Em relação à sua crítica poderei, de facto, dar-lhe todo o valor,se e só se, me der provas disso ( no que toca à modernice dos Celtas, gostaria que voltasse a ler, novamente o artigo com mais atenção ). Como referi, se acho que o tenha lido com toda a atenção, que desde já lhe agradeço esse mérito, o artigo em questão, foi baseado todo ele no Wikipédia. Logo se houver algum erro, vai me perdoar, mas vou-lhe pedir que seja mais sucinto .

    Mais uma vez obrigado pela visita

    ReplyDelete
  5. O artigo merecia ser melhorado.
    Peca por se limitar à fonte wikipédia que é fraca e serve apenas de ponto de partida para outras consultas.
    Devia confrontar com textos científicos, ganhamdo assim rigor e credibilidade.
    O texto falha na cronologia, nas conexões lógicas e sou um caso por exemplo: mistura a ocupação romana com a acupação "bárbara" situando-a no mesmo tempo.
    Se fizer outras leituras irá notar algumas correcções a fazer.

    ReplyDelete
  6. Concordo perfeitamente consigo, no que toca, por se limitar num ponto de partida, a razão foi para não ficar muito maçudo e para ser facil leitura... Este tema, concerteza merece ser aprofundado, não haja dúvida. Se quiser, ajudar nesse ponto, convido-o a corrigir e ou deixo aqui o desafio para tal.

    Mas uma vez, obrigado pela visita...

    ReplyDelete
  7. bom dia,

    obrigado por este artigo

    tambem ovi falar que a populacao de tras os montes tem oma origem com os judeos moranos novos convertidos

    ReplyDelete
  8. reitero o convite de jesus Chacim, convidando todos os que sabem a dar a conhecer aos que não sabem as origens do povo transmontano, eu pessoalmente gostaria de contar convosco para saber mais.
    obrigados

    ReplyDelete
  9. Terras do Demo e de gente remota de cultos demoníacos. Ainda nos últimos dias do antigo regime e um pouco depois ainda se queimavam mulheres acusadas de bruxaria e nestes tempos ainda se para lá passa qualquer coisa estranha. A minha avó chegou-me a falar de mulheres grávidas que pouco tempo antes dos partos eram esventradas por seres que geravam a que ela se referiu como "bichos" que esventravam as mães e que fugiam para os matos. Nos dias de hoje já muita gente se esqueceu do que se lá passou naquelas aldeias de isolamento ao longo de séculos

    ReplyDelete
    Replies
    1. "Terras do Demo e de gente remota de cultos demoníacos. ...e nestes tempos ainda se para lá passa qualquer coisa estranha." O que por lá se passa é um problema comum no mundo, a ignorância... Sou transmontana e com muito orgulho, nasci no Reino Maravilhoso como o apelidou Miguel Torga, e como diria alguém, por lá tudo é difrente, o ar tem outro cheiro, as estrelas brilham mais. Pessoas boas e más há em todo o lado, agora rotular-se uma região tendo por base estórias... Seja como for fica o link e poderá confirmar que elas existem por todo o lado... www.lendarium.org/

      Delete
  10. Olá Jorge Martins... É preciso coragem para falar estas coisas... Mas o artigo, em questão apenas quer transmitir uma Origem de uma Região e ou Povo. Essas Desgraças, provavelmente, também, aconteceram em outros Lugares... Obrigado pela Visita...

    ReplyDelete
  11. Olá Paradelo... Esperemos que alguém nos ajude, dentro da possibilidade, a completar uma falha deste artigo... Obrigado pela Sua Visita!

    ReplyDelete
  12. O mapa relativo à evolução do Leonês está errado: no Nordeste transmontano ainda se fala o Mirandês (antigo Leonês), atualmente língua oficial de Portugal: Lei 7/99 de 29 de Janeiro. O mapa apresenta Portugal como país de língua única nos últimos 200 anos e isso é totalmente falso. É engraçado que essa é única especificidade dos Transmontanos em relação ao resto do país e do Norte de Portugal. Conclusão: o artigo nem sequer foi capaz de ir ao cerne da questão, quanto mais ao resto!

    ReplyDelete
    Replies
    1. Olá Carlos...

      Desde já um obrigado pela sua visita e pela correcção.

      Referente ao mapa linguístico, peço que veja com mais atenção o próprio mapa ( clique nele e verá o que você referiu está lá, ou então clique neste link AQUI, será a mesma imagem do texto ).

      Em relação, ao texto em si, como disse anteriormente, deixo aqui o desafio para tal. Não haja dúvidas, que o artigo em si, está incompleto e como referi, também, "a razão foi para não ficar muito maçudo e para ser fácil leitura"

      Delete
  13. Gostei de saber as minhas origens !!!
    OBRIGADOS !!!
    03-12-2013

    ReplyDelete
  14. Na Lombada Bragança enquanto povo nativo somos Ibero Galego/Asturienses, chamaram-nos Lioneses e finalmente Portugueses Transmontano/Bragançanos. Não esquecendo que, entre outros por cá passaram e ficaram Celtas, Romanos, Bárbaros (Suevos, talvez alguns visigodos e com pouca probabilidade Vândalos), Mouros e Judeus.
    Pergunta-se: De onde descendem os políticos que nas últimas décadas têm governado Portugal?

    ReplyDelete
  15. brigado por el articulo. yo soy de zamora y adoro portugal. un saludo

    ReplyDelete
  16. JPedro GeraldesR

    De:://povosdaantiguidade.blogspot.pt/

    Origens

    As origens dos povos celtas são motivo de controvérsia, especulando-se que entre 1900 e 1500 a.C. tenham surgido da fusão de descendentes dos agricultores danubianos neolíticos e de povos de pastores oriundos das estepes. Esta incerteza deriva da complexidade e diversidade dos povos celtas, que além de englobarem grupos distintos, parecem ser a resultante da fusão sucessiva de culturas e etnias. Na península Ibérica, por exemplo, parte da população celta se misturou aos iberos, o que resultou no surgimento dos celtiberos.

    Todavia, estudos genéticos realizados em 2004 por Daniel Bradley, do Trinity College de Dublin, demonstraram que os laços genéticos entre os habitantes de áreas célticas como Gales, Escócia, Irlanda, Bretanha e Cornualha são muito fortes e trouxeram uma novidade: a de que, de entre todos os demais povos da Europa, os traços genéticos mais próximos destes eram encontrados na península Ibérica.

    Daniel Bradley explicou que sua equipe propunha uma origem muito mais antiga para as comunidades da costa do Atlântico: pelo menos 6000 anos atrás, ou até antes disso. Os grupos migratórios que deram origem aos povos celtas do norooeste europeu teriam saído da costa atlântica da península Ibérica nos finais da última Idade do Gelo e ocupada as terras recém libertadas da cobertura glacial no noroeste europeu, expandindo-se depois para as áreas continentais mais distantes do mar.

    O geneticista Bryan Sykes confirma esta teoria no seu livro Blood of the Isles (2006), a partir de um estudo efectuado em 2006 pela equipe de geneticistas da Universidade de Oxford. O estudo analisou amostras de ADN recolhidas de 10.000 voluntários do Reino Unido e Irlanda, permitindo concluir que os celtas que habitaram estas terras, — escoceses, galeses e irlandeses —, eram descendentes dos celtas da península Ibérica que migraram para as ilhas Britânicas e Irlanda entre 4.000 e 5.000 a.C
    ..

    ReplyDelete

| www.noenigma.com | All rights reserved - Copyright © 2010 - 2019

Theme images by richcano. Powered by Blogger.